Despistagem de desinformação política nas páginas: 15 a 21 de setembro de 2019

O projeto Monitorização de propaganda e desinformação nas redes sociais, desenvolvido no MediaLab ISCTE IUL, está a efetuar semanalmente a caracterização dos posts com conteúdo político que, dentro do conjunto de páginas de Facebook analisado, obtiveram o maior número de interações. Seguem alguns exemplos deste processo, com o link de acesso, a respetiva caracterização (segundo a rotulagem do projeto) e categorização (segundo as categorias do First Draft News, de Claire Wardle), assim como a justificação para ambas as tipificações.

Da totalidade de posts analisados distinguem-se:

  • 30% de posts em que não existem conteúdos imprecisos ou incorretos, quer pela sua natureza, quer pelo rigor dos factos apresentados;
  • 45% de posts com conteúdo impreciso, que pode induzir o recetor em erro.
  • 25% de posts com conteúdo incorreto, desinformando o recetor

 

Pedofilia e o Cardeal

Ver publicação no Facebook 

Caracterização: Não aplicável

Categoria: Não aplicável 

Justificação: A afirmação já tinha surgido em sites internacionais associados com desinformação e foi verificada pela organização de fact checking Snopes, que confirmou as acusações.

 

Europeu de andebol em cadeira de rodas

 

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Reciclagem – no post
Timing fora de contexto – no post
Factos imprecisos à data atual – no link
Factos incorretos – no link

Categoria: False context

JustificaçãoApesar de não ser um post obviamente político, o facto de incluir um sector sobre um atleta que lamenta a falta de apoio do Estado levou a que fosse incluído na pool de análise.

Trata-se de um artigo do Tuga Press partilhado pelo Anonymous Portugal datado de dezembro de 2018. 

O artigo da Tuga Press inclui ainda uma afirmação falaciosa:Mais uma medalha para Portugal que soma e segue nas medalhas que recebe em desportos que não passam no mainstream media”. Para além do Diário de Notícias, e cujo link o Tuga Press inclui, a notícia foi publicada por vários OCS: Sic Notícias, Observador e Rádio Renascença entre outros. A imagem e dois dos parágrafos do texto do Tuga Press são uma cópia do artigo do DN.

Na segunda parte do artigo, é apresentado o caso de Lenine, atleta mais medalhado português e que “vive” com apenas 400 euros. A notícia é do Jornal de Notícias de junho de 2017 e já foi repescada por diversas vezes

Refira-se que a pensão de Lenine até poderá ser desse valor, tendo em conta declarações feitas pelo próprio, mas que dificilmente a sua capacidade de mobilização e sucesso nas redes sociais indicam que “vive” com esse valor, tendo vários patrocínios e um histórico de relativo sucesso em angariação de fundos e projetos de crowdfunding. 

 

Ladrão de bombas de gasolina

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Reciclagem – no post
Timing fora de contexto – no post
Acusações não fundamentadas – no link
Factos imprecisos – no link

Categoria: Misleading content

JustificaçãoReciclagem de um artigo do site do próprio Mário Gonçalves do dia 08 de agosto. O artigo é sobre esta notícia do Correio da Manhã. Na notícia do CM é explicado que o indivíduo em questão já tem cadastro por este tipo de crimes, daí a pena.

No artigo de Mário Gonçalves o mesmo refere que: “Salgados, Berardos roubaram” – assumindo assim a culpa dos mesmos sem ainda terem sido julgados por esses mesmos crimes. No comentário ao seu próprio artigo substitui “Berardos” por “Sócrates” incorrendo na mesma imprecisão.

Mário Gonçalves afirma ainda que os juízes foram aumentados em mais de 700 euros o que também é impreciso.

 

Mário Gonçalves e a inércia

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Acusações não fundamentadas – no link
Factos imprecisos – no link

Categoria: Misleading content

Justificação: É um artigo de opinião sobre inércia de ações de protesto contra a classe política. Faz algumas sugestões de interpretação imprecisas, como a ideia de que os Deputados recebem ordenados milionários. 

 

PS e a bancarrota

Ver publicação no Facebook

Caracterização:

Factos imprecisos – no meme

Categoria: Misleading content

Justificação: Os factos enumerados podem induzir em erro, tendo em conta que em 1983 se tratava de um governo de coligação de salvação nacional, após queda de um governo PSD e numa situação de emergência económica.

 

Sexta às 9

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Acusações não fundamentadas – no texto do post
Acusações não fundamentadas – no link
Título impreciso – no link
Factos incorretos – no link

Categoria: False context; misleading content

JustificaçãoO comentário ao artigo é uma sugestão de interpretação que contém algumas acusações não fundamentadas: que o staff do Sexta às 9 não fala por medo de represálias e que se trata de censura. 

O artigo da Direita Política de Maria Vieira também contém algumas acusações não fundamentadas sobre a saída de Manuela Moura Guedes e José Eduardo Moniz. 

O artigo contém algumas acusações não fundamentadas sobre a saída de Manuela Moura Guedes e José Eduardo Moniz. Mais grave, o artigo contém factos falsos, que embora estejam escritos como sugestões de interpretação, não correspondem à verdade: 

  • Portugal tem os salários mais baixos da UE – há vários países da União Europeia com salários mais baixos e menos poder de compra que Portugal.
  • Vai inevitavelmente conduzir-nos à bancarrota – inferência causal não fundamentada
  • Quarta bancarrota oferecida pelo PS – em 1983 tratava-se de um governo do Bloco Central, com PS e PSD.

É de referir no entanto que as restantes acusações surgem sustentadas por uma investigação da Sábado. A primeira de que não se trata de uma regular interrupção do programa como o canal alega, e a segunda de que Maria Flor Pedroso é familiar por afinidade de António Costa e que terá de facto uma relação próxima com o PM. A inferência causal de que a interrupção é uma consequência direta desta relação familiar é que surge como outra acusação não fundamentada.

 

Novo Banco 

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Reciclagem – no post
Timing fora de contexto – no post
Factos incorretos – no texto do post
Factos imprecisos – no link

Categoria: False context

Justificação: Artigo de Abril de 2019 na sequência do anúncio de Mário Centeno das verbas previstas para 2020 e 2021. Os valores apresentados por Centeno ficam abaixo do inicialmente previsto, não obstante o artigo se apresentar como informação de “última hora” induzindo que seriam novos dados, não previstos inicialmente e falando de “um novo empréstimo” quando estes valores correspondem ao fundo de resolução previsto na venda do Novo Banco à Lone Star. 

As notícias à data do artigo de opinião de Mário Gonçalves abordam o comunicado de Centeno de forma bem diferente,

No texto da publicação, Mário Gonçalves refere 2,15 mil milhões que os portugueses vão pagar em 2020. Os 2,15 mil milhões são a totalidade prevista do apoio para 2019, 2020 e 2021 sendo que o valor para 2019 1149 milhões já foi injetado, sobrando na realidade, à data do post, apenas 1 milhão. 

 

Estudo Comissão Europeia

Ver publicação no Facebook

Caracterização:

Reciclagem – no post

Categoria: Não aplicável

Justificação: Notícia do El Mundo de 25 de junho publicada aquando da visita do Presidente da República a Espanha. Factos corretos de acordo com o relatório original.

 

Mural do BE no IST

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Factos imprecisos – no texto do post

Factos imprecisos – no link

Categoria: Misleading content

Justificação: Tanto o texto do post, como o artigo das Notícias Viriato, como o post do Diretor do IST remetem para a palavra vandalismo. O uso da palavra vandalismo é no entanto imprecisa visto que a pintura do mural não é ilegalConfirma-se a presença de Mariana Mortágua.

 

Europeu de andebol em cadeira de rodas II

 

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Reciclagem – no post
Timing fora de contexto – no post
Factos imprecisos à data atual – no link
Factos incorretos – no link

Categoria: False context

Justificação: Para além da justificação enumerada no post supra sobre a mesma temática, destaca-se a coordenação entre as páginas na partilha do mesmo conteúdo à mesma hora, num comportamento que o Facebook rotula de inauthentic behaviour

 

Privatização da TAP

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Factos imprecisos – no meme

Categoria: Misleading content

Justificação: São 120 milhões, erro que o post dos Lesados do Estado já corrige. Este prejuízo corresponde aos primeiros 6 meses de 2019 e não ao ano, sendo as contas feitas anualmente. Imprecisa também a afirmação que António Costa teve a ideia de não privatizar a Tap, assim como a inferência de que serão os contribuintes a pagar este prejuízo. Todos estes pontos são apresentados pelo Polígrafo na sua avaliação deste meme.

 

Subvenções vitalícias

Ver publicação no Facebook 

Caracterização: 

Reciclagem – no post
Timing fora de contexto – no post
Factos incorretos à data atual – no post
Cópia seletiva – no link
Factos imprecisos – no link

Categoria: False context

JustificaçãoO artigo que Mário Gonçalves partilha é de sua autoria e data de Maio de 2019. A reciclagem do artigo dá origem a erro, porque no artigo que partilha Mário Gonçalves refere que a lista não é conhecida quando na verdade entretanto já foi difundida dia 2 de setembro de 2019. Esta reciclagem induz em erro e não é corrigida no comentário que faz ao seu próprio artigo.

Acrescente-se que o valor dos 7,17 milhões é de um artigo do Observador de 2018 relativo às previsões de orçamento de 2019. No entanto, agora que a lista é conhecida verifica-se que é difícil confirmar o cálculo porque entretanto pode ter havido desistências / novas entradas e não existe forma de saber a que valor corresponde a redução parcial referida na lista.

Mário Gonçalves faz ainda uma cópia selectiva. O seu artigo é uma cópia quase total do artigo do Observador, com um título diferente, imagem diferente e um comentário diferente no final: “E é isto que temos por cá. Nós pagamos”. Mais do que isso, decide excluir uma parte relevante: “Há menos de um mês, a 18 setembro, o próprio grupo parlamentar do PS apresentou uma proposta para que a lista volte a ser pública, mas é uma iniciativa que ainda aguarda aprovação. Houve críticas, até de BE e PCP, devido à pressa em retirar a lista — que era pública desde 2016 — uma vez que as instituições públicas estão isentas de coimas durante três anos após a aprovação do novo RGPD e nem sequer é consensual entre os especialistas que a lista não pudesse continuar a ser pública e atualizada.”

 

Governo e a carga fiscal

Ver publicação no Facebook

Caracterização

Acusações não fundamentadas – no texto do post
Acusações não fundamentadas – no link
Spin de imagem – no link

Categoria: Misleading content

JustificaçãoCópia integral do texto do post original da Direita Política (incluindo texto do post) 4 horas depois da sua colocação pelo Direita Política.

Os dados enunciados correspondem. A colocação da imagem de Costa com Sócrates e introdução do nariz de Pinóquio remetem para acusações não fundamentadas. O mesmo relativamente à associação no comentário de que os impostos são calculados em prol dos gastos. A frase que é imputada a Costa, e que surge (acrescentada) sobre o print screen do Polígrafo, não corresponde literalmente ao que foi dito, embora o contexto esteja correto. Costa disse: “Os portugueses estão a pagar menos mil milhões de euros de impostos do que pagavam em 2015″ 

 

Privilégio dos políticos

Ver publicação no Facebook

Caracterização: 

Factos imprecisos –  no meme

Categoria: Misleading content

Justificação: Imagem oriunda do Instagram do Movimento Brasil Livre Vitória, com declarações imprecisas, nomeadamente quando aplicadas à realidade Portuguesa.

A referência aos “políticos” é uma generalização sendo que há alguns que auferem de alguns apoios no alojamento por exemplo, quando residem a mais de 50 kms de Lisboa e estão colocados na capital, ou de viatura oficial, dependendo do cargo. Relativamente ao seguro de saúde, a ADSE é descontada do vencimento e de acordo com o mesmo, tratando-se de um “privilégio” transversal a todos os funcionários públicos. Os deputados, tiveram, segundo auditoria do Tribunal de Contas do ano passado, um seguro de saúde privado em seu nome, que já não se encontrará em vigor.

 

NOTA METODOLÓGICA

Esta despistagem analisa os 20 posts com mais interações publicados nas páginas de Facebook monitorizadas pelo projeto Monitorização de propaganda e desinformação nas redes sociais na semana de 15 a 21 de Setembro.

Cada um desses 20 posts foi analisado para determinar a sua veracidade, em primeiro lugar, e – no caso de incluir desinformação – que tipos de desinformação lhe estão associados.

Para caracterizar a desinformação é usada uma nomenclatura desenvolvida pelo projeto e para os categorizar recorre-se aos 7 tipos de desinformação do First Draft.

A identificação das pessoas que publicaram os posts nos grupos monitorizados foi ocultada por razões de privacidade.

Coordenação: Gustavo Cardoso

Codificação e análise: Inês Narciso

Este projeto de investigação é realizado em parceria com o Diário de Notícias e com o apoio do Democracy Reporting International.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.